são tantos os nós

tantos momentos a sóis

tantos muitos

tantos poucos

tanto do outro

traduzidos na melancolia

do dia mais ensolarado do ano

em meio aos tormentos da vida;

traduzidos por olhares e conexões,

por momentos de despedida.

dos paradoxos ás ironias

do cair do dia ao levantar da noite

sempre será um tanto de tudo

até o dia em que a vida,

por de certo decidida,

acabar.

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor