Quis fazer rima dos teus sinônimos com os meus
Não consegui
Porque eram nossos antônimos que se davam bem

Tentei rimar a cor dos meus olhos
Com o tom de vermelho dos teus lábios
Desisti
Cada sentimento tem seu peso
E o que eu estava sentindo era assustador demais

Quis fazer do teu abraço o ponto final da estrofe de um poema inacabado
Mas acontece que tu gostava mais de prosas

Tudo parecia um grande fracasso
Até que teus olhos em mim repousaram
Fiquei desnuda e vulnerável

Tu segurou minha mão
Fazendo meu corpo levar um choque
Não foi preciso uma palavra
Era só a gente misturar toda nossa composição
Como em uma sopa de nuvem e algodão

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor