o fogo transforma tudo o que toca

a chuva não cai
a água quando chega já não consegue mais revitalizar o que já se foi
ao final resta memória

que o tempo
(com certa urgência inexplicável)
leva embora

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor