conheci a menina nômade inesperadamente

ela carregava uma grande bagagem azul

eu estava com olhos atentos sobre ela
afinal, não é todo dia que eventos como esse acontecem

a menina havia me falado sobre o dorso da baleia solitária

aquilo havia me despertado um misto tão grande de sentimentos que chorei

chorei porque me dei conta: não passamos de baleias solitárias

e a menina nômade, sem saber ao certo o que fazer

me abraçou

minha solidão, havia brevemente, encontrado a solidão dela.

https://youtu.be/Q1-q3H3ZWFk

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor