Amar e não gostar / gostar e não amar

-Você gosta dela? - perguntou-me com a convicção de uma resposta já clara para todos ao meu redor.

-Não sei se gosto dela. Nada que acontece nos filmes, acontece comigo. Só sinto uma felicidade extrema invadir meu interior quando há uma aproximação.

-Então você gosta dela. Simples!

-Não é simples. Porque... eu não gosto mais dela apesar de amá-la.

-E como isso é possível?

-É como o casamento da viúva. No mesmo dia faz sol e chuva. Eu sei que a amo porque os momentos sinestésicos são o cerne da nossa relação... o cheiro, o toque, o diálogo... quero vê -la bem, mas a quero longe. Na medida em que ela fica bem sendo livre eu fico mal por querer prendê-la a mim... eu não gosto mais dela como gostava no início, na verdade, não dá mais pra gostar porque eu cansei.
Não queria ser essa pessoa que ama e não gosta e é por isso que dizem que "coração não é tão simples quanto pensa".
Talvez eu esteja falando isso pra me enganar, mas no fundo eu sei que "Amar o perdido/ deixa confundido/ este coração.”

Será que eu gosto e não amo ou será que eu amo e não gosto??

-Acho que você gosta e ama e por isso tenta negar. Lidar com sentimentos para com o outro é assim mesmo… uma escuridão infinita com pouquíssimas brechas de luz.

-Talvez…

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor

em um estado de perplexidade permanente com aquilo que chamam de amor