Ainda que existisse mais do que o sim
Nos teus lábios eu era exatidão
Ainda que de tu eu recebesse um não
Palavra nenhuma conseguiria encontrar minha solidão
Ainda que no mapa da vida tu me desencontrasse
Os mesmos pontos que formam as retas, formam as curvas
E tua imensidão encontraria minha calmaria
Como o céu encontra a terra
Nos dias de chuva de verão

--

--

--

--

teus olhos me atravessaram

assim como a poesia atravessa teu corpo

e mesmo sabendo que é impossível uma reta paralela encontrar outra

nos encontramos

não nas nossas similaridades

mas nas nossas diferenças

um punhado dos teus eus e outros

junto com os meus

uma metamorfose diária das nossas notas musicais

corpos inquietos

e a calmaria de um encontro

que faz barulho

barulho de dança,

barulho de riso,

barulho de coração batendo além da conta

barulho que chamamos de amor

--

--